Início » 2020, o ano em que o mundo parou

2020, o ano em que o mundo parou

por Catia Lindemann
308 visualizações

Um vírus mortal tomou conta do planeta terra sem que nada pudéssemos fazer senão nos isolarmos socialmente em nossas casas. Assim foi o começo do ano que se passou. Com as Bibliotecas Prisionais não foi diferente. Tivemos de nos adaptar, reinventar e, deste modo, seguir trabalhando no nosso propósito que é garantir o direito de acesso à leitura e apoiar a educação no cárcere. Mesmo distantes das prisões, as quais nem visitas de familiares passaram a receber, montamos estratégias para que nossas ações pudessem seguir.

Assim, nasceu nosso “Informativo Covid nas Prisões”; “Mapeamento dos profissionais que atuam com a leitura nas unidades prisionais brasileiras”; “CBBP Conversa” e “Projeto Mães no Cárcere”. Conseguimos assento para estar no “GT CNJ para a construção do Plano Nacional de Fomento à Leitura nos Ambientes de Privação de Liberdade”, recebemos o convite para integrar o Comitê da IFLA “Library Services to People with Special Needs Section e ainda conseguimos fazer uma ação de “Interlocução com as Escolas de Biblioteconomia brasileiras” e compilar os “Dados Estatísticos das Bibliotecas Prisionais no Brasil”.

Entramos em 2021 com o alento de saber que a Ciência nos trouxe a vacina e com ela esperamos que em breve possamos voltar às nossas atividades. Sabemos que será um processo demorado, afinal, nunca antes na história a Ciência buscou um antídoto em tão pouco tempo e uma vacinação em massa não acontece do dia para a noite.

Os principais eventos da FEBAB precisaram ser adiados e remanejados, pela segurança e proteção de todos. Esperamos que possamos voltar às atividades e, assim, poder apoiar as famílias que tiveram perdas em decorrência da COVID 19.

Apresentamos “Boletim Informativo 2020” e nele você terá as informações sobre nossas ações e as estatísticas das Bibliotecas Prisionais Brasileiras.

Catia Lindemann – Presidente da CBBP

Textos Relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.